Mobilidade
Relação Universidade-Empresa
Formação
Notícias
Quem somos
Alianças

Publicidade

Publicidade

Rede Universia

Universia.br

Brasil :: Página inicial >

Quinta-feira :: 08 / 11 / 2007

SERVIÇOS ::

Pré-Universitário   Profissões       Minha Escolha     Engenharias    

Organização e eficiência

Graças ao perfil multidisciplinar, a Engenharia de Produção tem conquistado espaço no mercado de trabalho. Conheça as opiniões de um vestibulando, um graduando e um profissional da área

Publicado em 22/11/2005 - 00:01

Qualidade, eficiência, preço competitivo, clientela fiel e, principalmente, lucro são metas almejadas e perseguidas por empresas e prestadores de serviços do mundo contemporâneo. A necessidade de respostas rápidas às exigências dos mercados cada vez mais concorridos tem sido responsável pela crescente procura de engenheiros de produção.

Este profissional é capacitado para atuar na organização, controle e aumento da eficiência e da qualidade dos processos. Assim como nas demais Engenharias, o engenheiro de produção projeta, implanta, melhora e mantém sistemas - neste caso, produtivos. No entanto, segundo o diretor administrativo da Abepro (Associação Brasileira de Engenharia de Produção) e professor da UFF (Universidade Federal Fluminense), Osvaldo Quelhas, a diferença está na abordagem sistêmica.

"A Engenharia de Produção lida com sistemas integrados de homens, equipamentos e materiais, agregando todas as áreas envolvidas na gestão de uma empresa", explica Quelhas. "Além disso , é, sem dúvida, a menos tecnológica e a mais abrangente, englobando um conjunto maior de conhecimentos e habilidades. É uma combinação da Engenharia com a Administração".

A formação eclética dos engenheiros de produção favorece sua colocação no mercado de trabalho. Diferente do que se pensa, o profissional não atua somente no chão de fábrica. "Além das indústrias e de serviços, esses profissionais podem, ainda, desempenhar atividades na administração pública e na análise de investimentos", assegura Quelhas. "A atuação não se restringem às áreas de produção e logística, engloba também os setores de operações, marketing e finanças", completa.

Considerando a situação atual de retração do mercado de Engenharia no Brasil, o mercado de produção desfruta de boa condição. O vice-presidente do Grupo Prime, empresa voltada a recursos humanos, consultoria e recolocação de profissionais, Fernando Possari, afirma que a maioria dos engenheiros de produção vem conseguindo boas colocações no mercado principalmente em função do perfil. "Um profissional com uma sólida formação técnica e com visão geral suficiente para encarar os problemas de maneira global", define.

Segundo o consultor, o mercado é mais promissor nas regiões Sul e Sudeste. "Principalmente, na região metropolitana de São Paulo, onde se encontram os melhores postos de trabalho. Mas a mais promissora certamente é a grande Campinas, além de Jundiaí e do Sul do país", garante. "Mas, em geral, é um setor bastante positivo no momento", conclui.

Segundo levantamento feito pelo INEP (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), existem, atualmente, 50 cursos de Engenharia de Produção no Brasil. O total de matrículas anuais é de 8.703, contrapondo-se ao número de concluintes, 4.103. "A demanda por esses profissionais é cada vez maior, conseqüentemente as ofertas de cursos estão aumentando. Mas é preciso destacar que a procura e a concorrência acompanham esse crescimento", diz o professor da UFF. Clique aqui e conheça mais sobre esta carreira.

Confira abaixo os motivos que levaram um vestibulando, um graduando e um profissional a escolher o curso de Engenharia de Produção:

Idade: 17 anos

Onde estuda:
Cursinho da Poli
Thiago Monnerat Peres
Idade: 20 anos

Onde estuda: UFSCar (Universidade Federal de São Carlos)
Ana Claudia Marleta Matas
Idade: 33 anos

Profissão: Engenheiro de Produção, graduado pela UFF (Universidade Federal Fluminense)
Mauro Jorge Melli Carvalho Jr
Vestibulando - Por que escolheu a profissão?
Inicialmente gostaria de cursar a graduação de Ciências da Computação, mas, por influência do meu pai, decidi pela área de Engenharia. Escolhi a de produção porque é uma profissão que trabalha tanto a área de Humanas quanto a de Exatas, sendo um elo entre os dois pontos.
Graduando - Por que escolheu a profissão?
Sempre quis algo relacionado à Engenharia. Dentre as possibilidades existentes, a de produção foi a que mais se adequou ao meu perfil.
Profissional - Por que escolheu a profissão?

Na verdade, comecei a fazer Engenharia Elétrica focado na área de telecomunicações. Mas esse curso não correspondeu as minhas expectativas e resolvi mudar para algo que fosse mais abrangente, como a Engenharia de Produção.

Vestibulando - O que espera do curso?
Espero que envolva as duas áreas do conhecimento (Exatas e Humanas) e que dê mais ênfase à parte prática.
Graduando - O curso corresponde às suas expectativas?
Geralmente, quando um estudante entra na graduação não sabe bem ao certo o que vai encontrar. Mas, felizmente, o curso correspondeu ao que imaginava.
Profissional - O curso correspondeu às suas expectativas?
É um curso extremamente eclético, ele pega desde a Administração de Empresas, passa por Economia, por Engenharia, ou seja, eu chamo de "engenheiro administrador".
Vestibulando - Quanto espera ganhar depois de formado?
Pretendo abrir uma empresa. Quero começar com R$ 2.000 ou R$ 3.000, mas não quero parar nesse valor.
Graduando - Quanto espera ganhar depois de formada?
Depende muito da área de atuação.
Profissional - Quanto ganha um profissional da área?
Depende basicamente da função que ele ocupar.
Vestibulando - O que acha que vai encontrar de melhor na profissão?
Acho que o mais interessante vai ser a habilidade de gerenciar as pessoas.
Graduando - O que acha que vai encontrar de melhor na profissão?
Uma área de muitas oportunidades, justamente pela formação multidisciplinar.
Profissional - O que acha de melhor na profissão?
A formação é muito abrangente, existe um leque muito variado de opções.
Vestibulando - O que você acha que vai encontrar de pior na profissão?
A teoria pura que o estudante é obrigado a aprender e que nem sempre é utilizada e exigida pelo mercado de trabalho.
Graduando - O que você acha que vai encontrar de pior na profissão?
As imposições que o mercado faz, que nem sempre são coerentes.
Profissional - O que você acha de pior na profissão?
É carregar os preconceitos da profissão. O pessoal pensa que o engenheiro de produção só pode trabalhar em chão de fábrica, mas, hoje, felizmente, esse mito já está sendo quebrado.
Vestibulando - Que análise você faz da profissão no Brasil?
Está em crescimento. Apesar de ter um bom mercado, já está um pouco concorrida tanto no ingresso da graduação como no mercado de trabalho.
Graduando - Que análise você faz da profissão no Brasil?
É uma profissão bem versátil. Sempre vai existir a necessidade de se ter um engenheiro de produção, principalmente em uma industria.
Profissional - Que análise você faz da profissão no Brasil?
É difícil falar em Brasil, o país é sempre um ponto de interrogação. Mas o engenheiro de produção tem apresentado, cada vez mais, uma excelente aceitação das empresas, pela questão da multifuncionalidade.
Vestibulando - Que dica você daria a estudantes que estão em dúvida entre Engenharia de Produção e outras áreas?
As dúvidas sempre vão permanecer. Mas é preciso pesquisar muito e não se conter com os manuais do vestibular. Profissionais e estudantes da área podem ser excelentes fontes de pesquisa.
Graduando - Que dica você daria aos estudantes interessados em Engenharia de Produção?
É preciso gostar. Não adianta apenas fazer um curso por achar que vai se dar bem.
Profissional - Que dica você daria aos alunos interessados nesta profissão?
Aproveite a formação na universidade, faça diferente e tenha flexibilidade.

Encontre Notícias de seu interesse


Publicidade

.                                                                                                                                                         &nbs p;